Comunicação Assertiva: o que é e porque a queremos tanto!
comunicação assertiva - roberta medeiros

VOCÊ SABE O QUE É COMUNICAÇÃO ASSERTIVA?

Você há de concordar comigo que a comunicação é um dos grandes instrumentos facilitadores ou geradores de problemas de relacionamento interpessoal.

 

Acredito que você, assim como eu, deve se lembrar de algum episódio na sua vida em que a comunicação não foi clara e gerou problemas no relacionamento, estou certa?! Se pararmos para refletir, veremos que atritos entre casais, pais e filhos, amigos e colegas de trabalho têm em comum a falta de uma COMUNICAÇÃO ASSERTIVA! Mas, o que vem a ser isso?

 

O QUE É ASSERTIVIDADE [COMUNICAÇÃO]?

 

A ASSERTIVIDADE é um conjunto de comportamentos, que possibilita a pessoa agir conforme seu interesse. Comunicar-se sem aquela ansiedade excessiva, para então expressar seus sentimentos de forma adequada e franca. – E o que é essencial, fazer valer seus direitos sem negar os dos outros!

 

Isso só torna-se alcançável quando há doação de atitudes adequadas para cada situação e em conformidade com o contexto vivido. Para entender melhor, vamos conceituar Comunicação Assertiva, segundo grandes mestres:

 

MARQUIS E HUSTON (1998)

“[…] a capacidade de se expressar de maneira direta, honesta e adequada, não infringindo o direito dos outros”.

ROBERT E. ALBERT (1978)

“[…] o comportamento que torna a pessoa capaz de agir em seus próprios interesses, a se firmar sem ansiedade indevida, respeitando seus direitos sem negar os alheios.”

 

Para que possamos fazer uso de uma comunicação assertiva e, assim sermos mais positivos em nossas atitudes e discursos, temos que rever nossas crenças, educação, formação que recebemos ainda quando crianças e o nosso histórico de vida! Tudo isso oferece a sustentação necessária a nossa personalidade e, a isso, chamamos de BASES PSICOLÓGICAS DA ASSERTIVIDADE….

 

COMPORTAMENTO ASSERTIVO, COMO TER

 

O segredo para agir e discursar de forma mais assertiva, está em desenvolver e nutrir alguns comportamentos específicos, dia a dia, com o intuito de incluí-los em nosso repertório comportamental natural, são as chamadas BASES PSICOLÓGICAS:

 

AUTOESTIMA – AUTOCONTROLE

O comportamento assertivo pressupõe a existência de AUTOAFIRMAÇÃO, uma forma de  “espelho” no qual nossa imagem se reflete. Quanto mais a pessoa desenvolve mecanismos que elevem sua AUTO-IMAGEM, mais haverá um aumento gradativo de sua autoestima.

 

EMPATIA

Consiste na capacidade de nos colocarmos no lugar do outro, procurando compreendê-lo. Pressupõe habilidade na escuta, bem como o entendimento de si mesmo e do outro.

 

FACILIDADE DE ADAPTAÇÃO

A pessoa assertiva deve ser capaz de se colocar à altura da outra pessoa, adaptando sua linguagem ao ambiente e às situações.

 

TOLERÂNCIA À FRUSTRAÇÃO

É a capacidade de entender, que nem sempre nossas vontades e/ou necessidades serão atendidas na hora e da forma que gostaríamos que fossem.

 

MELHORIA CONTÍNUA

Capacidade de estar constantemente verificando possibilidades de melhorias em sua forma de ser e se comunicar. Saber que o bom comunicador não nasce pronto e que está em constante aprendizado.

 

O comportamento é muito influenciado pela predominância de escolhas de canais de comunicação (canais sensoriais). Nós, como seres humanos, aprendemos e entendemos, mais fácil, quando partimos dessas escolhas, mas  isso já é assunto para um, próximo texto…

 

ATÉ OS GRANDES ERRAM…

 

Conta-se que até o Rui Barbosa, um dos personagens mais inteligentes da nossa história, já passou por momentos de dificuldades na comunicação. O que dizem, que aconteceu, foi o seguinte:

 

Um dia Rui Barbosa, ao chegar em sua casa, ouviu um esquisito barulho vindo do seu quintal. Chegando lá, constatou que havia um ladrão tentando levar seus patos de criação. Ele se aproximou lentamente do sujeito, surpreendendo-o enquanto o mesmo tentava pular o muro com seus queridos patos…. Batendo nas costas do tal invasor, disse-lhe:

 

“Oh !  bucéfalo, não é pelo valor intrínseco dos bípedes palmíferes e sim pelo ato vil e sorrateiro de galgares as profanas de minha residência. Se fazes isso por necessidade, trânsito; mas se é para zombares de minha alta prosopopéia de cidadão digno e honrado, dar-te-ei com minha bengala fosfórica no alto de tua sinagoga que reduzir-te-á à quinquagésima potência que o vulgo denomina nada.”

E então o ladrão disse:

– Ô moço, eu levo ou deixo os patos???

 

Depois dessa história acredito que você já deve estar convencido quanto a necessidade de se COMUNICAR DE FORMA ASSERTIVA, estou certa?! Aproveite e deixe nos comentários uma história sua, em que coisas “ruins” aconteceram por falta de uma COMUNICAÇÃO ASSERTIVA…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *