Planejamento Estratégico: Saiba como executar, controlar e analisar cada etapa!
planejamento estratégico na prática - roberta medeiros

Já falei aqui sobre o que é um planejamento estratégico e qual a sua importância quando elaborado de forma estratégica, com foco na conquista de objetivos sólidos a partir de caminhos pré-definidos. Se não leu, acesse. Mas, só para lembrar, em um sentido mais amplo, planejamento é um processo que objetiva o alcance de metas, por meio da análise de meios e fins que atendam o alcance dos resultados estabelecidos.   Será que você tem o hábito de planejar suas atividades diárias, o atingimento de metas semanais no ambiente de trabalho, ou deixa esse “tempo” para aquela viagem dos sonhos?

 

O que eu quero compartilhar agora com você é como colocar em prática esse planejamento, controlar e analisar seus resultados. Pode-se traçar uma rota, mas se no decorrer do caminho perceber que ela não é a mais indicada, nada impede que tome outro curso e obtenha o sucesso desejado. Para isso, serve o controle! Já a análise, mede todo o processo a fim de proporcionar uma visão geral e oferecer a base para futuros planejamentos. Falaremos mais sobre cada um a seguir, vamos lá?

 

Executando o planejamento estratégico

 

“Execução é a etapa do processo de gestão na qual as coisas acontecem, as ações emergem. Essas ações devem estar em conformidade com o que anteriormente foi planejado. É por meio das ações que surgem os resultados”.  – MOSIMANN e FISCH (2000)

 

A execução do planejamento irá compreender todos os processos (etapas) e todos os envolvidos nas ações pré-estabelecidas para alcance dos seus resultados.  O sonho ou desejo trás à tona o que você deseja conquistar, já a execução como serão as ações para alcançar o que você almeja. Ok?

Habitualmente damos mais importância para a execução, por um fator cultural do brasileiro – “sempre dá um jeito”, “faz de tudo”, “não desiste nunca”… Esse fator cultural traz um mapa mental de que “somos pau pra toda obra” e deixamos de tomar consciência dos fatores que podem impedir que aquela meta seja conquistada. Por isso é tão importante planejar, por no papel!

 

Não importa qual o cargo e as suas responsabilidades na empresa, tenha consciência de que é importante executar o que você pré-estabeleceu para que tudo o que foi planejado realmente torne-se realidade. O líder do projeto, por exemplo, tem um papel fundamental nessa fase, pois cabe a ele orientar seus colaboradores e auxiliá-los para que executem da melhor forma e no menor espaço de tempo, sempre visando alcançar os resultados esperados. O mesmo vale para os pais que desejam economizar os gastos; casais que desejam um relacionamento mais feliz, entre outros.

 

Sendo assim, a fase de execução é aquela em que as ações são implantadas e surgem as transações realizadas. É o momento de alcançar as metas e objetivos descritos em planejamento, da melhor forma possível. As perguntas aqui são: COMO farei, QUEM fará parte, em QUANTO tempo? Nesta etapa, todos os dados de desempenho (pensando no meio corporativo) devem ser registrados para posterior análise e comparação na fase de controle.

 

Controlando o planejamento

 

Encerrada a execução de cada ação você  deve acompanhar e controlar os resultados obtidos comparando-os com o que foi planejado e com os que você tem como base. É seu dever identificar possíveis desvios e suas respectivas causas, para assim traçar ações corretivas.

Essa fase de controle deve ser feito apenas ao final da execução? Nãooooo! Se perceber que há impeditivos no meio do processo de execução, é importante reavaliar e entender as causas do problema, tendo sempre um plano de contingência. Por isso que planejar é tão importante e faz você otimizar seu tempo, minimizando desgastes emocionais, físicos  e financeiros!

 

No ambiente corporativo, a etapa de controle garante que a energia desempenhada pela equipe não será desperdiçada, porque uma vez  identificado qualquer falha, a mesma já será corrigida e substituída por uma nova ação, sempre visando os objetivos da organização.

 

Assim como o planejamento, os controles nascem de planos previamente desenvolvidos. Esses controles servem para conter crises e, quanto mais claros, completos e integrados forem, mais eficazes serão suas ações para corrigir falhas no planejamento.

 

Análise e Decisão

 

As etapas de decisão e análise nascem de duas atividades maiores: primeiro, comparar o desempenho obtido com o que foi planejado; segundo, decidir se o plano precisa ser modificado, com base nessa comparação. A esse documento ou fase, a literatura denomina de  Plano de Controle.

 

Por mais simples que pareça ser, essa última etapa é uma das mais importantes. Ela é quem dirá se o planejamento foi ou não bem elaborado. Além disso, facilita o controle da rotina empresarial produzindo informações em tempo hábil, que nos ajudam  a tomar decisões importantes e, assim garantir o sucesso do resultado e o bom andamento do fluxo de ações.

 

Controles de compra, venda, custo, despesa, receita, estoque, formação de preço, margem de contribuição, ponto de equilíbrio, fluxo de caixa, e outros são importantes controladores. Esses controladores proporcionam aos donos de empresa e empreendedores, por exemplo, condições de medir a eficiência da empresa. São simples de acompanhar e não requer grandes conhecimentos da teoria administrativa ou financeira.

 

Executar um planejamento mais estratégico não é tão complexo quanto você imagina, mas também é muito mais importante do que você pensava. Evite desperdícios, monitore as ações, analise os resultados, controle e revisite cada etapa do seu planejamento quando possível. Não deixe para perceber que você “entrou numa furada”depois que injetou dinheiro e tempo. Tenha controle de qualidade em tudo que faz! Se gostou desse texto curta, compartilhe e marque um amigo. Obrigada, boa semana! 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *